Delegação chinesa apresenta pontos para parcerias com SC

Representantes da província chinesa de Shanxi apresentaram cinco áreas nas quais seu governo deseja ampliar a cooperação com Santa Catarina: missões internacionais, turismo, investimentos, intercâmbio de estudantes e cooperações em pesquisa. A apresentação ocorreu na Secretaria de Assuntos Internacionais (SAI), na Capital, nesta quinta-feira, 27.

Para o consultor-geral da SAI, Marcelo Trevisani, o encontro aproxima os dois estados. “Esta reunião nos ajuda na consolidação da carta de intenções que assinamos com Shanxi em 2015 na medida em que oferece novas perspectivas de parcerias”, disse Trevisani. Em março de 2015, Santa Catarina e Shanxi assinaram uma carta de intenções com a presença do vice-governador Eduardo Pinho Moreira e do vice-governador da Província de Shanxi, Wang Yi Xin.

As áreas de interesse de Shanxi foram introduzidas pela diretora-geral adjunta do Departamento de Assuntos Internacionais e Ultramarinos da Província de Shanxi, Ran LiPing. A primeira área diz respeito à ampliação das parcerias entre os dois estados a partir da realização de missões governamentais.

O segundo ponto é a promoção de cooperações na aérea de turismo. “As paisagem de Shanxi são totalmente diferentes”, explica LiPing na comparação com Santa Catarina. Além das belezas naturais de uma região montanhosa, Shanxi oferece sítios históricos, como a cidade de Pingyao, que é patrimônio mundial da Unesco por seus traços arquitetônicos bastante preservados das dinastias Ming e Qing há mais de 2,5 mil anos. “Shanxi é uma das origens da cultura e civilização da China”, valorizou a diretora.

O terceiro eixo das parcerias são os investimentos, em especial na exploração de carvão mineral, energias renováveis e produção de máquinas. LiPing propôs ainda a inclusão de Santa Catarina no roteiro do programa “Shanxi Brand Silk Road Tour”, pelo qual a província chinesa apresenta seus produtos e marcas pelo mundo. O quatro ponto é o intercâmbio estudantil. “Para nossas parcerias e desenvolvimento futuros, temos que focar na educação e intercâmbio dos jovens”, destacou LiPing.

A última área de interesse trata de cooperações universitárias para pesquisas tecnológicas. A Universidade de Tecnologia de Taiyuan, capital da província, investe no desenvolvimento de técnicas de extração mais sustentável do carvão mineral. Já a Universidade Agrícola de Shanxi tem como foco os estudos sobre agricultura e produção de alimentos e, segundo LiPing, é uma das principais universidades da área em seu país. “Temos interesse no desenvolvimento tecnológico também para a agropecuária e agroindústria já que estes segmentos estão entre os pilares da economia catarinense”, lembrou o consultor-geral da SAI.

Segundo Trevisani, a apresentação dos pontos de interesse ajudará no planejamento de atividades conjuntas entre Shanxi e Santa Catarina em 2017. Um das ideias é a participação de uma delegação catarinense no 2ª Fórum Internacional de Desenvolvimento Energia e Baixo Carbono, em Taiyuan, no segundo semestre no próximo ano.

Rafael Paulo

Pin It