Com investimentos de R$ 50,9 milhões, Governo de SC lança nova edição do Programa Terra-Boa em Pinhalzinho

pinhalzinho_-_itaipu_rural_show_20170125_1477556358

O Governo do Estado deve beneficiar 70 mil agricultores com o Programa Terra-Boa neste ano. Os investimentos serão de R$ 50,9 milhões para subsidiar a aquisição de 220 mil sacos de sementes de milho, 300 mil toneladas de calcário, 1,1 mil kits forrageira e 350 kits apicultura. Uma nova edição do programa foi lançada oficialmente nesta quarta-feira, 25, pelo secretário de Estado da Agricultura e Pesca, Moacir Sopelsa, durante a abertura da Itaipu Rural Show, em Pinhalzinho, no Oeste catarinense.

O convênio foi firmado entre a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca e a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina (Fecoagro). Com o programa, o Governo do Estado quer aumentar a produtividade nas lavouras catarinenses, além de incentivar os investimentos na melhoria de pastagens e na apicultura. Os produtores têm acesso, ainda, a sementes de milho de alta tecnologia, obtendo maior produtividade por área plantada.

O secretário da Agricultura destacou que, mesmo com apenas 1,12% do território nacional, Santa Catarina se consolida como grande produtor de alimentos. Conforme Sopelsa, o estado tem quase 90% das propriedades rurais classificadas como de agricultura familiar e é o primeiro produtor nacional de suínos, cebola, maçã, ostras, mexilhões e pescados. “Isso prova que as pequenas propriedades podem gerar renda e desenvolvimento. Nosso estado consegue produzir muito, porque as pessoas trabalham incansavelmente. E o programa Terra-Boa atua para apoiar e desenvolver ainda mais a atividade”, salientou.

O estado também é o segundo maior produtor de aves, tabaco e arroz e está entre os maiores produtores de mel, banana, trigo e leite.

Benefícios do programa

Em 2016, o Terra-Boa distribuiu 206 mil sacas de semente de milho, maior volume em 20 anos. Foram disponibilizadas também mais de 220 mil toneladas de calcário. Ao todo, aproximadamente 70 mil agricultores catarinenses foram beneficiados.

O agricultor Milton Kerbes, morador da Linha Santa Catarina, em Saudades, disse que o programa é muito importante, pois muitas vezes o agricultor não tem o dinheiro para adquirir o produto. “O Terra-Boa possibilita a compra e, assim, conseguimos recuperar o solo, plantar uma semente melhorada e ainda fazer o planejamento nas nossas propriedades com um prazo mais longo para pagamento”, explicou.

“É um programa que dá ao produtor acesso à tecnologia, com as sementes de milho e insumos, o que permite o aumento da produtividade e, consequentemente, da renda do agricultor”, afirmou o presidente da Fecoagro, Cláudio Post.

Sobre a feira Itaipu Rural Show, o secretário Sopelsa disse que o evento é uma oportunidade para o produtor rural trocar experiências para melhorar ainda mais a produtividade e a economia de seu negócio. “O Governo do Estado reconhece a importância do cooperativismo”, afirmou.

A distribuição do Terra-Boa

Calcário: A distribuição de calcário é feita em duas modalidades: via cooperativa ou direto das minas. Com o calcário direto das minas, o produtor fica responsável pelo transporte. No caso do calcário via cooperativa o produtor paga o equivalente em sacos de milho consumo tipo II (60 kg), pelo preço de referência fixado no início de cada ano –  o produto é disponibilizado para ser retirado próximo à propriedade rural. Cada família rural tem direito a uma cota de 30 toneladas de calcário que serão pagas no próximo ano com o produto da colheita.

Sementes de milho: As sementes que podem ser adquiridas pelo produtor incluem sementes de médio até altíssimo valor genético, seguindo as relações de troca.

Para cada saca de 20kg de sementes, classificadas nos determinados grupos, o produtor deverá ressarcir a diferença entre o preço de venda menos os respectivos valores dos subsídios, cujo montante será convertido em quantidade de sacas de produto de 60kg de milho consumo tipo II, utilizando como base o preço unitário de referência fixado em R$ 25.

Kit Forrageira: O kit forrageira é formado por mais de 80 produtos fornecidos a partir de um projeto técnico elaborado pela Epagri. O valor do kit é R$ 6 mil, e pode ser pago em três parcelas anuais, sem juros, ou caso o produtor queira pagar no primeiro ano terá um desconto de 30% incidente sobre a segunda parcela e 60% sobre a terceira.

Kit Apicultura: Cada kit é composto por seis colmeias, com ninho e duas melgueiras; cera alveolada para seis colmeias; formão; dois macacões completos com máscara; dois pares de luvas e um fumegador, cobertura ecológica, arames, esticador de arame, rainha, núcleo Langstoth, alimentador de cobertura, luvas e jaleco. O kit custa cerca de R$ 2 mil, e o produtor terá dois anos de prazo para pagamento, com parcela anual. Se o pagamento for único, haverá subvenção de 60% sobre o valor da segunda parcela.

Abelhas rainhas: Fornecimento de no máximo 150 rainhas por produtor, limitado a R$ 8 por rainha.

Agronegócio 

Dados da Secretaria de Agricultura e Pesca  mostram que com mais de 700 mil empregos diretos, o agronegócio movimenta cerca de R$ 61 bilhões, ou seja, 29% do Produto Interno Bruto (PIB) catarinense.

Defesa Civil 

Durante o evento em Pinhalzinho, foi assinado termo de compromisso para a instalação de kits de transposição de obstáculos da Defesa Civil, para reestabelecimento de acesso nas comunidades atingidas pelas fortes chuvas e enxurradas que atingiram a região no mês de dezembro. Os locais atendidos serão: Linha São Roque, no município de Cunhataí; Linha Volta Grande, em Pinhalzinho; e Linha São Carlos, em Saudades.

Itaipu Rural Show

Considerado o maior evento do agronegócio catarinense, o Itaipu Rural Show trará as tecnologias e tendências do setor. O evento acontece entre 25 e 28 de janeiro, no Centro de Difusão de Tecnologias da Cooperativa Regional Itaipu, localizado no quilômetro 580 da BR-282. Quem visitar o Itaipu Rural Show terá acesso a orientações técnicas em avicultura; suinocultura; bovinocultura de leite; horticultura; cereais; plantas medicinais; pastagem, irrigação, feno e pré-secado e ovinocultura. Além disso, pela primeira vez acontece o Seminário Itaipu de Leite com palestras renomadas do setor.

Elisabety Borghelotti 

Pin It