“2017 será o ano para colocar o trem nos trilhos”, afirma Colombo em palestra na Federação das Indústrias

A participação do governador Raimundo Colombo na reunião de diretoria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), nesta sexta-feira, 16, em Florianópolis, foi marcada pelo reconhecimento de importantes vitórias em 2016, apesar de todas as dificuldades econômicas, e pela defesa de novas medidas para proteger os catarinenses da crise no novo ano. “2017 será o ano para começar a consertar o país, para colocar o trem nos trilhos. Não podemos perder o que conquistamos, mas precisamos de coragem para mudar o que está errado, sair da região de conforto, não se acomodar e acabar com privilégios”, destacou.

Fotos: Julio Cavalheiro/Secom

Colombo lembrou que, apesar das todas as dificuldades de 2016, o Governo de Santa Catarina pode comemorar o encerramento do ano com as contas equilibradas, os investimentos em andamento e o pagamento antecipado do 13º dos servidores pelo 10º ano seguido. Isso se deve ao rigor na gestão e a mudanças adotadas ao longo do ano, como a reforma da previdência estadual e a renegociação das dívidas dos estados com a União.

Em relação à previdência, duas leis mudaram o modelo catarinense com o objetivo de reduzir o déficit previdenciário. Uma elevou a contribuição dos servidores de 11% para 14% e do Estado de 22% para 28%, de forma gradual, até 2018. Essa medida já vem gerando economia efetiva aos cofres públicos. A outra criou uma fundação de previdência complementar, a SCPrev.

Outra questão desgastante em 2016 foi a renegociação das dívidas dos estados com a União. O Governo de Santa Catarina foi protagonista neste processo. No início do ano, Santa Catarina recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a cobrança de juros compostos e o resultado foi um novo acordo de renegociação da dívida, firmado em junho, garantindo fôlego financeiro aos estados. Com a proposta, todos tiveram um desconto de 100% da dívida no segundo semestre de 2016, quando a crise chegou ao seu ápice. Além disso, Santa Catarina deixará de pagar R$ 2,1 bilhões até junho de 2018.

Colombo voltou a defender a urgência de reformas nacionais para proteger a economia do país, como a da previdência, a reforma política e a reforma trabalhista. “É preciso encontrar mecanismos de transição para um novo modelo de estado, tirar o que não serve e preservar tudo o que há de bom para avançarmos. A democracia é o melhor sistema que existe, e o pressuposto da liberdade é a sua alma, o que precisa ser preservado. Mas existe também uma exigência essencial para a democracia que é a responsabilidade. Se não, o regime democrático não sobrevive. E é disso que precisamos agora, de responsabilidade, de bom senso, de diálogo e coragem para tomar as medidas que permitam que a economia volte ao patamar de segurança e depois retome o crescimento”, discursou.

A reunião foi comandada pelo presidente da Fiesc, Glauco Côrte, que agradeceu ao governador pelo empenho no equilíbrio das contas do setor público e pela postura de não aumentar impostos em Santa Catarina. “A indústria de Santa Catarina está ao seu lado para promover um estado cada vez mais competitivo para garantir a força das nossas empresas e a atração de novos investimentos”, destacou. O governador Colombo agradeceu ao importante trabalho de todos os empresários catarinenses no enfrentamento à crise e elogiou o papel da Fiesc em ser uma federação que busca influenciar o processo com propostas de melhorias. “É muito bom ter quem nos ajuda a querer reconstruir, a propor e a melhorar”, afirmou. A entidade, que congrega 141 sindicatos, representa a força da indústria catarinense, composta por mais de 50 mil empresas, nas quais trabalham mais de 800 mil pessoas. O setor é responsável por um terço da riqueza gerada em solo catarinense.

Antes da palestra, o governador Colombo também conheceu alguns projetos de inovação para produtos e serviços da cadeia produtiva da industria de transformação, realizados por alunos do sistema Sesi que estavam em exposição na Fiesc. E elogiou o trabalho da entidade e o empenho de todos os estudantes.

Alexandre Lenzi

Pin It